Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Legislativas 2011

Legislativas 2011

21
Mai11

Debate Socrates-Passos Coelho foi o mais visto

rgomes

O debate televisivo entre José Sócrates e Pedro Passos Coelho, foi o mais visto dos 10 que opuseram líderes dos partidos com assento parlamentar e passou para o segundo lugar do TOP dos debates mais vistos destes 1995. Santa Lopes/José Sócrates continua a ser o líder de audiência

Segundo o sítio da Internet da Marktest Mediamonitor, o 'duelo' de sexta-feira na RTP1 atingiu 44,2 por cento de 'share' (percentagem de telespetadores de entre as pessoas que na altura viam televisão), acima do milhão e meio de pessoas: 1,584,500.

O anterior confronto político sobre as legislativas de 05 de junho que tinha obtido maior audiência tinha sido o debate entre Sócrates e o presidente do CDS-PP, Paulo Portas, com 38,3 por cento de 'share' e um total de 1.483.298 telespetadores, em 09 de maio.

21
Mai11

Debate P P Coelho - J. Sócrates

rgomes

A sondagem da Uni. Católica deu a indicação que Pedro Passos Coelho esteve melhor no debate. Uma diferença de 13% em relação a Sócrates. No entanto, para mais de 50% o debate não foi conclusivo. De assinalar ainda que em termos de propostas - designadmente de economia - a sondagem revelou que Pedro Passsos Coelho levou vantagem em todas as áreas.

Muitas vezes, mais importante do que o que se passa na hora de debate, é a vaga de comentários e notícias. Nas primeias reacções, em oito comentadores televisivos, apenas dois consideram que Sócrates tirou vantagem do debate. No dia seguinte, alguns órgãos de comunicação social relataram que o debate não iria ter influência na mudança de voto,

Síntese do debate entre Sócratese Passos Coelho.

 - Uma observação: num jogo de futebol, ganha a equipa que marcou mais golos. Num debate ganha a equipa que convenceu mais adeptos que foram ver o jogo.

17
Mai11

PSD - eixo de campanha

rgomes

O eixo de campanha é o que liga as várias narrativas. Como uma obra constituída por vários capítulos através dos quais se alimenta o enredo.
Michel Bongrand estabeleceu quatro eixos: Eixo ideológico: visa realçar uma diferença que à partida já é conhecida (esquerda/direita). Eixo político: projecta o futuro. O ponto de partida é o ambiente que se vive no eleitorado (continuidade, mudança, renovação, união). Eixo pessoal: personalização. A sua utilização é frequente quando não há fortes traços distintivos entre os partidos concorrentes, e Eixo temático: é circunstancial. Resulta dos estudos de opinião que indicam as principais preocupações do eleitorado e avalia o desempenho de quem exerce o poder.


O eixo de campanha do PS assenta nesta mensagem: Cuidado, é um risco colocar o PSD no Governo. Já provocou a crise que levou o país a pedir ajuda externa e agora quer ganhar com um líder impreparado e com um programa que coloca em causa o "welfare state".
A campanha não está assente em propostas, numa visão de futuro (nem programática nem de metas). Antes havia um inimigo externo (as empresas de notação financeira, o capitalismo selvagem, a indecisão da Europa, ...o FMI), agora, só há um perigo: o PSD. Tenham cuidado, não arrisquem na mudança que o tempo não está para experiências. O líder do PS repete este discurso todos os dias e já lhe chamam a "cassete de Sócrates". Por vezes cita uma medida do PSD, outras vezes pega numa declaração de um dirigente social-democrata... mas a mensagem é sempre a mesma. Neste aspecto, é uma campanha ofensiva (quando tudo levava a pensar que seria uma campanha defensiva) e com o adversário bem definido: o PSD.

 

Paulo Portas também ajudou a criar a imagem de incerteza do líder do PSD. Através da máxima: "o PS é imcompetente e o PSD não é convicente" tenta capitalizar o descontentamente em relação a José Sócrates e diminuir o impacto do "challenger" que seria Pedro Passos Coelho. O seu propósito é mostrar que, afinal, ele sim é a alternativa. Assumiu a postura de estadista e como é o único que já tem lugar assegurado no Governo (com PS ou PSD) tem uma atitude ofensiva mas comedida. Quanto à mensagem principal, aproveita todas as oportunidades para mostrar que o PSD também é coresponsável da actual crise e que não tem uma estratégia clara.

 

PCP e BE têm um eixo de campanha muito próximos (eixo ideológico): os restantes partidos têm uma política semelhante, subscreveram o acordo com o FMI (que Sócrates ajudou a diabolizar) e há uma alternativa de esquerda. O futuro vai ser muito mau para os trabalhadores e mais pobres e a continuar um desses partidos no Governo não haverá mudança.

 

Por último, o PSD. Após o despoletar da crise política afirmava que era necessária uma clarificação. Depois passou para um discurso social - não congelar as pensões mais baixas e prometeu apresentar um Programa Social -, entretanto escreveu artigos na imprensa internacional a dizer que o PEC IV ficava aquém do necessário e de seguida elogiou o acordo com a "troika" porque "vai mais longe". Após a apresentação do programa eleitoral a bandeira foi a diminuição da Taxa Social Única e quando já estava em empate técnico nas sondagens passou para uma postura ofensiva. O actual Governo e o seu líder não eram de confiança. No vocabulário do PSD surgiam palavras como omitir, enganar, mentir....
Ontem, o PSD passou a atacar o Programa Novas Oportunidades, (um ataque ao orgulho de milhares de pessoas que conseguiram atingir um melhor patamar nas suas qualificações).
Esta é uma narrativa sem mensagem. Não há eixo de campanha. É o social, é a economia, é o futuro com propostas e medidas concretas, é o desgaste do adversário....? para um líder que deixou que lhe fosse criada a imagem de alguém incerto, ingénuo, "não convicente", esta estratégia, de certa forma, confirma o rótulo que lhe estão a criar. A continuar assim não é o "challenger, desbarata a expectativa criada, não tira proveito do desgaste do adversário e nem aproveita as novas oportunidades. Deriva, apenas.
Duas dúvidas: o PSD contratou especialistas brasileiros de marketing político para esta campanha. Qual a influência que estão a ter na direcção de campanha? Serão eles os autores desta estratégia?

Segunda questão: o desemprego é uma das maiores preocupações dos portugueses manifestada nas sondagens. O que tem dito o PSD sobre este tema?

17
Mai11

PP Coelho - F Louçã

rgomes

Mais um debate morno. Poucos argumentos novo, repetições, dejá vu.

O debate entre Francisco Louçã e Pedro Passos Coelho mostrou o líder o BE a recorrer a documentos para evidenciar as contradiuções dos seus adversários.

Do lado de Pedro Passos Coelho, o mesmo ritmo, o ar colegial e muito palavroso, sem a acutilância de Portas e Sócrates. PP Coelho não mostra evolução na sua prestação televisiva. Mantém o registo.

Este debate foi dos mais vistos, ao ter uma audiência média de 1.010.995 pessoas e share de 30.2% e passou para o TOP dos debtaes com maior audiência desde 1995.

O confronto entre Paulo Portas e José Sócrates, em 09 Maio 2011 continua a ser o mais visto, desta campanha, ao atingir uma média de     1.483.298 espectadores.

26
Abr11

Redenção

rgomes

A Páscoa é momento de rendenção mas não para todos.

Lello, do PS, aventurou-se com comentários sobre o Presidente que originaram um boomerang pesado. Valia mais estar calado. O tempo não está para graçolas. Nem para erros tecnológicos, segundo relata o Público

P. P. Coelho, horas depois dos 4 Presidentes defenderem o diálogo, em vez de ir à boleia - como fez Sócrates - também se quis inspirar e perdeu, mais uma, oportunidade para estar calado.

17
Abr11

Fernando Nobre

rgomes

Pela polémica que causou e do que disse na entrevista à RTP, acho que vai ser um caso paradigmático da opinião publicada em pouco corresponder com a percepção de muitas pessoas/eleitores.

As elites, lideres de opinião, comentadores.... vão continuar a criticar Fernando Nobre. Os argumentos não são válidos, são contraditórios, um caminho sinuoso....

No entanto, para quem não acompanha a actividade política com muita atenção, quem não tenha a decisão tomada sobre o partido em que vai votar e que tenha visto a entrevista na RTP ficará com uma opinião bem diferente: Nobre foi simples, directo, emotivo e com grande franqueza.

Mais, com um discurso que devia ser o eixo da campanha do PSD - preocupação social, com a classe média e os mais desfavorecidos - e uma missão: Portugal.

Desta entrevista uma outra nota: a confiança que Fernando Nobre depositou em Pedro Passos Coelho e a forma como elevou o carácter e as preocupações sociais do líder do PSD. Repetidas vezes o disse. Neste aspecto, esta entrevista foi também um ponto positivo e muito relevante para Pedro Passos Coelho.

 

Podem dizer que nada do que Nobre se propõe fazer é competência do Presidente do Parlamento, que o perfil do cargo é outro... Tudo pode ser certo, mas o comum do cidadão não faz a mais pequena ideia do desempenho do cargo, do sistema de eleição....

Quem não tem opinião formada sobre esta polémica, gostou de o ouvir/ver, da imagem que transmitiu. Para muito, isto é o relevante.

 

16
Abr11

PSD anda aos tiros... no próprio pé

rgomes

Em pré-campanha eleitoral o PSD especializou-se em autoflagelar-se.

Marques Mendes ataca o cabeça de lista por Lisboa.

No dia a seguir Pacheco Pereira obriga o PSD a retomar o tema do encontro com José Sócrates que colocou em causa a seriedade de Pedro Passos Coelho.

Hoje, à hora de almoço Nogueira Leite disparou contra os que recusaram fazer parte das listas, adiantando que essa discussão deve ser tida mais tarde, o que significa que é inutil no presente.

Ao final do dia, Barbosa de Melo comenta de forma crítica Fernando Nobre e a decisão do PSD de apoiar a sua candidatura à Presidência da República antes de serem conhecidos os deputados.

12
Abr11

gato escaldado

rgomes

Pedro Passos Coelho teve uma reunião com José Sócrates que foi depois tornada pública por Silva Pereira.

O líder do PSD queixou-se que a reunião foi combinada ser mantida em segredo. Referiu ainda que o acordo não tinha decorrido nos moldes em que foi revelado pelo ministro dda Presidência. Fez uma promessa: nunca mais reunia a sós com José Sócrates.

Quando da apresentação do PEC, Pedro Passos Coelho e Miguel Relvas disseram que o líder do PSD teve conhecimento das medidas através de um telefonema do primeiro-ministro.

Soube-se agora que, afinal, foi num encontro pessoal.

Conclusão: Pedro Passos Coelho faltou à verdade e quebrou uma promessa. O que não lhe fica bem.

É uma história estranha mais ainda quando o líder do PSD já manifestou desconfiança em relação a José Sócrates. Não há candura nem ingenuidade quepossa explicar como "voltou a cair na ratoeira".

10
Abr11

Redes Sociais

rgomes

 

 Um dos objectivos dos dirigentes politicos é o "directo". Criam os chamado pseudoacontecimentos    para   cativarem a atençao da comunicação e, se for possível, o "directo" é a cereja em cima do bolo.

 

 Na prática, "o directo" significa chegar junto da audiência sem a mediação dos jornalistas. Não há filtros,  transmitem a mensagem (o soundbite) desejada e habitualmente conseguem ter mais tempo de  exposição. Esta é uma estratégica normal.

 Nos últimos meses surgiu o mesmo procedimento mas sem recorrer às TVs  rádios. É através das redes sociais. Foi assim que Obama anunciou a sua recandidatura. Foi assim que o PSD tentou condicionar o congresso do PS. Cerca de 15 minutos após o megaevento socialista, Pedro Passos Coelho escreveu na sua página no Facebook que Fernando Nobre vai ser o cabeça de lista do PSD em Lisboa. A mensagem espalhou-se de imediato pelos media. O líder do PSD não foi sujeito a perguntas, confrontado com outros temas. O que escreveu foi replicado pelos media. Difundiu a mensagem pretendida, numa altura precisa e com rápida divulgação. Mais, sem custos e 100% eficaz.

08
Abr11

A campanha PS

rgomes

Na abertura do congresso do PS José Sócrates deu hoje o mote do que vai ser a campanha socialista:

- responsabilizar PSD pelo pedido de ajuda

- PSD é incerto, é arriscado mudar

- O PSD tem um líder que não sabe o que quer

- O PSD é neo-liberal e o PS defende o Estado Social

- PCP e Bloco fizeram um favor à direita e são responsáveis pela vinda do FMI.
Há vários anos que não via um primeiro-ministro a centrar o seu discurso no ataque ao lider da oposição, como se fosse ele o "challenger".
Habitualmente é ao contrário, até do ponto de vista do estatuto, o líder da oposição a tentar colocar-se ao mesmo nível do chefe de governo.

Sócrates corre atrás do prejuízo, da desvantagem nas sondagens. Vai aproveitar todas as oportunidades para atacar Pedro Passos Coelho e lançar-lhe directamente reptos. A ver se ele cai, se dá troco e tropeça.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D