Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Legislativas 2011

Legislativas 2011

30
Mai11

Onde estão os indecisos

rgomes

Quem (em particular PS ou PSD) convencer a larga fatia de indecisos ganha as eleições.

É vital conhecer os motivos porque a poucos dias do acto eleitoral (considerado no discurso partidário como de extrema relevância) os indecisos não quebram.

Alguns estudos terão sido realizados nos últimos dias e, pelo que me foi dito, a maior parte está indecisa entre PS e PSD.

Perante estes estudos não é de estranhar o discurso de PS e PSD nas últimas horas.

O PSD começou o fim de semana a fazer o apelo à maioria absoluta e ao voto útil, mas mudou. Agora dirige a sua mensagem para o eleitorado socialista e retomou a mensagem da defesa do Estado Social. Está a jogar ao centro.

Por sua vez, José Sócrates reagiu de imediato e esta noite foi António Vitorino que fez um "apelo ao voto dos sociais-democratas".

29
Mai11

A semana dos indecisos

rgomes

Poucas eleições Legislativas tiveram um resultado tão imprevisto.

A margem de indecisos é elevada e manteve-se praticamente igual ao longo da primeira semana de campanha: entre 28 a 30%.

O que revela a impotência de todos os partidos em convencer os que procuram (se procuram) uma decisão.

 

Do lado do PSD o discurso final tem um outro alvo: o CDS. Apelar ao voto útil. O empate técnico ajuda mas este argumento já foi utilizado várias vezes e não foi decisivo.

 

Por último, mas não menos importante: não cometer erros.

23
Mai11

A onda

rgomes

Especialistas em sondagens e campanhas eleitorais dizem-me o seguinte:

- é previsivel uma onda laranja

- o jogo está feito, é muito dificil alterar as tendências

- o PS enganou-se na data das eleições. Planeou tudo para a data do arranque da campanha. Há vários dias que deixou o PSD marcar a agenda, não tem discurso novo, nem um plano B.

 

A cronologia (que segundo estes especialistas é a necrologia) do PS:

- debate com Pedro Passos Coelho com expectativas muito altas

- comentadores televisivos dão de imediato vitória ao líder do PSD

- sondagem Uni. Católica dá vitória a Pedro Passos Coelho

- PS leva emigrantes para comicios. Capa no Correio da Manhã e reportagem nos telejornais e quase toda a imprensa nacional

- PSD marca agenda com desafio a Portas

- PSD marca agenda com as alegadas nomeações clandestinas.

13
Mai11

Campanha do PSD

rgomes

A volta nacional de Pedro Passos Coelho arranca sábado com a visita aos Açores
O fecho da campanha é com um jantar-comício em Lisboa. O PSD promete "muita rua" e uma aposta maior nas zonas urbanas.
O “dia tipo” nas próximas três semanas – oficialmente a campanha só começa a 22 de Maio, mas a caravana laranja, tal como as restantes, parte para a estrada uma semana antes – terá duas acções da parte da manhã (uma na rua e outra em visita a uma instituição ou empresa), um almoço, outro contacto com o eleitorado ao final da tarde e um jantar-comício com início pelas 20h. Fonte: J. Negócios

08
Mai11

Site PSD

rgomes

O site do PSD dedicado às eleições legislativas.

Centrado na imagem do líder, com materiais de campanha e destaque para as redes sociais e voluntários para a campanha.

Não é muito diversificado em informação. Aposta também em vídeos, fotos e sons

03
Mai11

o ónus das medidas

rgomes

Havia a dúvida de quem ficava com o ónus do anúncio das medidas. Como o Governo assumia esse risco e como comprometer os partidos da oposição.

A dúvida foi dissipada:

- anunciaram-se as não medidas

- o PSD reivindicou o mérito do acordo


A realidade não importa. O relevante é a gestão das expectativas. Dramatiza-se para depois se anunciar o que se evitou.

Duas conclusões: acho que só esta noite o PSD percebeu a armadilha em que caiu.
Por outro lado, nesta construção de simulacros, não estamos perante um pedido de ajuda ao FMI mas um plano Marshall.
Neste cenário fica apenas uma dúvida: com este discurso como se pode, depois das eleições, pedir mais sacrifícios aos portugueses se foi tão boa a negociação?

 

Pode ver aqui a declaração do primeiro-ministro

21
Abr11

Feliz Páscoa

rgomes

Pedro Passos Coelho abriu a porta de casa para desejar Feliz Páscoa.

A realização do vídeo é pobre, do ponto de vista tecnico, mas pode ter sido propositado: comunicção directa, sem ser artificial, como o casal, uma família comum.

As elites não gostaram muito mas este não é um produto que lhes é dirigido. O target é outro.

17
Abr11

Fernando Nobre

rgomes

Pela polémica que causou e do que disse na entrevista à RTP, acho que vai ser um caso paradigmático da opinião publicada em pouco corresponder com a percepção de muitas pessoas/eleitores.

As elites, lideres de opinião, comentadores.... vão continuar a criticar Fernando Nobre. Os argumentos não são válidos, são contraditórios, um caminho sinuoso....

No entanto, para quem não acompanha a actividade política com muita atenção, quem não tenha a decisão tomada sobre o partido em que vai votar e que tenha visto a entrevista na RTP ficará com uma opinião bem diferente: Nobre foi simples, directo, emotivo e com grande franqueza.

Mais, com um discurso que devia ser o eixo da campanha do PSD - preocupação social, com a classe média e os mais desfavorecidos - e uma missão: Portugal.

Desta entrevista uma outra nota: a confiança que Fernando Nobre depositou em Pedro Passos Coelho e a forma como elevou o carácter e as preocupações sociais do líder do PSD. Repetidas vezes o disse. Neste aspecto, esta entrevista foi também um ponto positivo e muito relevante para Pedro Passos Coelho.

 

Podem dizer que nada do que Nobre se propõe fazer é competência do Presidente do Parlamento, que o perfil do cargo é outro... Tudo pode ser certo, mas o comum do cidadão não faz a mais pequena ideia do desempenho do cargo, do sistema de eleição....

Quem não tem opinião formada sobre esta polémica, gostou de o ouvir/ver, da imagem que transmitiu. Para muito, isto é o relevante.

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D